21 de maio de 2011

Porque uma mulher (não)gosta de RPG?

Olá leitores do Blog, tudo bom com vocês?
Meu nome é Mônica, interpreto a personagem Castiel, se você já leu algum diário de campanha deve conhecer. Sou a barda que alegra os momentos mais difíceis da Comitiva Escarlate.

Mas mudando de assunto estou iniciando uma coluna neste Blog sobre o RPG na visão de uma MULHER, por mais estranho que possa parecer eu sou uma mulher de verdade, sim não sou travesti nem uma daquelas gurias que querem ser homens. Sou uma garota como qualquer outra, a diferença é que... bom não vem ao caso. O que importa aqui é que eu jogo RPG com este grupo a mais ou menos 3 anos e este jogo se tornou uma das minhas paixões. 

A primeira vez que ouvi falar de RPG achei a coisa mais chata do mundo, pensei: “que tipo de pessoa vai querer ficar horas sentado imaginando dragões e jogando dados?”. Pois bem hoje eu sou uma dessas pessoas que passa uma tarde, um dia ou mais que isso sentados jogando dados e imaginando dragões, beholders e afins, e acho isso o Maximo. O que mais eu gosto no RPG é que você se encontra com seus amigos e tem aquele momento onde pode ser quem você quiser, como quiser e pode fazer coisas que um ser humano normal não faz, pode deixar sua imaginação fluir sem limites mesmo. Querendo ou não todos, sim todos nós independente da idade, religião ou opção sexual precisamos de momentos de lazer, cada um escolhe a atividade que mais lhe interessa, algumas pessoas fazem exercícios físicos, outras tocam um instrumento, dançam... enfim todos temos de fazer algo e o RPG foi a forma da qual escolhi para meu lazer.
Depois que comecei a jogar RPG mudei muito, não eu não vivo em um mundo imaginário onde meu namorado é um elfo lindo, quero dizer que mudei minha forma de me expressar e pra melhor, comecei a ser mais comunicativa, aprendi a ouvir mais a respeitar a opinião do outro e muito mais. Pra quem pensa que é só um jogo besta estão enganados, pois pode até ser um jogo, mas este jogo exige que você seja organizado, que você leia e estude seu personagem, passamos por situações onde temos de usar de verdade o cérebro e pensar em uma forma de sair de uma armadilha ou resolver uma charada. É essa emoção de passar por situações onde você tem que se unir com um grupo para resolver um problema que faz o jogo ser tão rico, o melhor é que isso não é só uma contribuição para o momento do lazer, isto também ajuda na sua vida pessoal, profissional e onde mais você conseguir aplicar.
Agora falando porque as mulhers não gostam desse jogo, elas só não gostam porque a bosta de sociedade, sim a bosta da sociedade botou nas cabeças dessas garotas que não podemos jogar, porque isso é coisa de homem, e você homens nos excluem, vocês reclamam mas um dos culpados por não ter mais mulhers que gostam de RPG é porque vocês namorados e amigos não nos mostra o jogo, não tem paciência. Sim nos mulhers temos um jeito diferente de ver as coisas, portanto para conseguirmos sentar em uma mesa e jogar é ter pessoas com paciência e que dêem atenção sem ficar julgando toda e qualquer fala da gente. Poxa vocês têm de reconhecer que uma mulher no grupo é bem legal, sempre podemos pensar em uma forma diferente de resolver algo ou até mesmo ter uma atitude em algum momento que ira ajudar i grupo. Admito que às vezes sejamos chatas e falamos de assuntos sem sentido, só que isso também é legal, descontrai e nos lembra que estamos ali para nos divertir.
Ao final de tudo quero dizer que RPG também é coisa de garota e que esse negocio de que mulhers não podem jogar RPG é coisa que botaram na sua cabeça. Faça o que lhe for mais atrativo e o principal de tudo vocês garotos não nos julgue ou fique fazendo piada quando perguntamos algo sobre o jogo, as vezes não entendemos e a forma de entender é perguntando. Vamos ser mais tolerantes com algumas atitudes, aliais estamos ali para nos divertir.

Quero agradecer ao Grupo de RPG que me aceitou e com o qual venho jogando estes anos. Sou muito feliz por ter vocês em minha vida e que nossa parceria continue pelo resto de nossas vidas, pois a amizade é eterna.

Um beijo e um abraço em cada um que ler o post inteiro.
Mônica Weber

9 comentários:

  1. Bem, nunca tive essa opinião de que mulher não pode jogar. E sim, tem garotas e mulheres que realmente não querem aprender a jogar, não por simplesmente por não ter quem ensinar. Minha namorada é uma.

    ResponderExcluir
  2. É isso ai Moh!
    Sem a Moh no rpg não teriamos nossa barda camarada que tanto nos diverte ^^.
    E, bem vinda ao blog!

    Guilherme
    É cara, assim como tem rapazes que não querem jogar, tem garotas que não querem. A proposta da Moh é não fazer do RPG um "clube do bolinha". Mas esse tabu hoje já é quebrado. Os grupos que vemos na net geralmente tem garotas participando.

    ResponderExcluir
  3. John Viking/Troll12 de maio de 2011 08:56

    Moh, parabéns pela postagem. Texto muito bem escolhido para debater.

    Seja bem vinda ao blog e espero ver mais posts por ai.

    Obrigado por tudo.

    ResponderExcluir
  4. É sempre bom saber a opinião das próprias mulheres sobre o assunto.

    Atualmente vemos mais garotas se interessarem por RPG, mas o número ainda é pequeno. No entando, a qualidade de uma sessão de jogo onde há mulheres é muito maior pois, como a barda falou, elas sempre têm ideias bem diferentes dos guris.

    Vou recomendar este post lá no meu blog.

    ResponderExcluir
  5. Ah...o quê eu não faria para ter uma jogadora em meu grupo...

    Enfim, muito interessante esse post. De fato, nós homens pensamos de um jeito muito diferente, e são poucos aqueles capazes de apresentar o jogo para uma dama com o devido respeito e cortesia. Mas, um dia a gente aprende, ou não.

    PS: Conheci o blog através de uma recomendação desse post no blog do Clérigo e achei muito legal. Quando puderem, façam-me uma visita em http://blogdomestrewalla.blogspot.com e confiram meus diários de campanha (em resenha e podcast!) e os previews do novo sistema que estou desenvolvendo. Se quiserem firmar uma parceria, isso muito me lisonjearia.

    PS2: Weber? Interessante, é o meu sobrenome também.

    ResponderExcluir
  6. Waaaaaalaaa, hehehe

    Bom, o intuito do nosso blog é justamente publicar o cenário de Jepo, que é desenvolvido pelo grupo. Talvez em parceria podemos estabelecer um cenário para o seu sistema, porque não?

    Vou dar uma olhada no blog com mais tempo, mas de primeira já achei interessante, hehe.

    Poxa, a manutençao do blogger sumiu com nossos comentários =/

    ResponderExcluir
  7. Fiquei muito feliz de saber que o meu primeiro Post no blog foi bem recebido.

    OBRIGADA mesmo pelos comentarios.

    Quero dizer que não vou parar por ai, logo logo terão mais post's e com outros tópicos, ainda na visão de uma Garota que jogar RPG...

    PS: sim weber, somos FODAS :P

    ResponderExcluir
  8. Eu diria que mulheres gostam de RPG, (ou podem realmente vir a gostar) o problema é q o jogo não lhes é devidamente apresentado.
    Como você mesma disse Moh q as mulheres pensam de forma diferente comparado aos homens, os atrativos do jogo tbm são diferentes.
    Eu acho interessante a parte de desvendar enigmas (apesar de não jogar, a proposta me fascina), jah o Henque (falo dele pq é o mais próximo de mim) prefere as batalhas (a parte "violenta" do negocio)
    Enfim, o q quero dizer é q pra uma mulher se interessar ela precisa ver as diferentes possibilidades de distração, os diferentes pontos em que pode usar o raciocinio e a imaginação pra se divertir.

    PS: Enquanto eu via o RPG como um grande campo de batalhas imaginarias eu não tinha interesse nenhum (alias, achava chato pra caramba).

    (opinião de quem convive com pessoal q joga RPG)

    ResponderExcluir
  9. Dae pessoal! Desculpa a resposta atrazada desse post principalmente pra você Moh! Andei meio "egoista" esse mês e não tive vontade de ler e nem ver nada...
    Adorei o post, um comentário inovador que sem dúvidas mudou a conciencia das pessoas e que abriu uma porta até então fechada no RPG.
    Pode parecer machista mas fico abismado quando eu vejo uma mulher que joga RPG (além da Moh) porque simplesmente elas são raras, mas sem dúvidas a presença de uma mulher no jogo enriquece demais a sessão e o diferencial a Moh colocou muito bem escrito nesse post.

    Quanto a preferir batalhas, já fui assim, ficou no passado com meu ultimo personagem, o atual ficou bem dinâmico conseguindo aproveitar o jogo por completo. Fica a dica pra quem quer criar um personagem bem ativo :)

    Abraços!

    ResponderExcluir