17 de junho de 2010

Kreev Neo Drako

Hoje, biografia de Kreev, o guerreiro da Comitiva Escarlate.



Nome: Kreev Neo Drako
Raça: Draconato
Classe: Guerreiro
Altura: 1,90m
Peso: 120kg
Cor dos Olhos: Dourados
Tendencia: Mau Caótico
Obs.: Escamas vermelhas, e cicatriz por todo o tronco.

"Sou um castigo de seu Deus, se ele gostasse de você não o botaria na minha frente"
- Kreev Neo Drako, o guerreiro

Kreev nasceu na cidade dos Draconatos Dourados, cidade com um poder militar simplesmente incrível. Desde criança sofre com o preconceito por ser um draconato vermelho, presenciando as vantagens das crianças douradas. Treinava com armas danificadas - e as vezes até sem armas - e era sempre um dos últimos a ser servido nas refeições, sempre se alimentando de restos.
Filho de Krist um draconato dourado, líder do exército da cidade e de Jester, draconata vermelha vista por seu marido como a culpada por trazer ao mundo um filho "sujo". Kreev presenciava os ataques à sua mae e muitas vezes sofria em seu lugar. Era claro que, para seu pai, o simples fato de não ter nascido dourado era um grande desgosto. As cicatrizes permanecem em seu corpo, tanto física como emocionalmente.
Apesar de "sujo", Kreev formou-se na academia militar. Participou do tradicional torneio entre os novatos e, quebrando a tradição de milhares de anos, venceu, tornando-se o primeiro draconato não-dourado a vencer o Torneio da Academia Militar. Os gritos de alegria venceram o preconceito, e a cidade aplaudiu Kreev, que mostrou uma bela luta a todos. Até mesmo o regente o aplaudia de pé. Apenas um, entre todos os draconatos, evitava a festa. Era Krist, seu pai. Este que, quando percebido por Kreev, saiu apressado entre a multidão.
Kreev Esperou muito tempo por isso, e queria que seu pai mostrasse orgulho pela sua vitória. Então seguiu o rastro de Krist e o encontrou na entrada de sua casa, já ao anoitecer. Foi como se o tempo parasse para a cena. Uma chuva iniciou para lavar o sangue de Jester, que jazia aos pés de Krist, este esbravejante, urra a Kreev com todo seu ódio a vergonha de ter um filho "sujo". Jester jazia, não porque fora acertada com o martelo de seu marido, mas sim por ter trazido ao mundo ser tão repugnante.
Kreev, em súbito e em meio as ofensas, levanta o martelo de seu pai do chão e o golpeia com verocidade, essa maior do que outrora golpeara seu oponente no ringue. Quando saciou sua raiva, percebeu que já acertava as pedras do chão. O corpo de Krist se misturava com o sangue de Jester e com a chuva empoçada na entrada da casa. Kreev cai em prantos quando pode ouvir um choro que o acompanha. Sua mãe, Jester, em seus últimos suspiros lhe diz que se sente orgulhosa pelo guerreiro que seu filho se tornara. Diz a Kreev que não se arrependesse de seu feito, pois agora seu pai era Jhakar e era à Jhakar que deveria dedicar suas batalhas. Jhakar deveria ser seu deus, seu deus da guerra.
É em meio a uma oração ao seu deus que Kreev deixa sua mãe. Pedia por proteção, pois sabia que seria acusado do assassinato de seus pais. Teve certeza que seu pedido foi atendido quando ouviu o alarme de alerta soar. Uma invasão dos anões se iniciou.
Um dos invasores encontra Kreev em frente a sua casa. Mal teve chance de acertar o draconato, assim como os companheiros que o sucederam em um falho ataque. Kreev aproveitou a deixa de seu deus e ateou fogo em sua antiga casa.
No dia seguinte, foi levantada uma estátua em memória a Krist, que morreu em batalha defendendo a Cidade Dourada. Enquanto Jester fora cremada. Todos deram suas condolências a Kreev, que foi condecorado junto aos novos guerreiros que defenderam a cidade do repentino ataque.
Kreev foi a figura que fez com que o preconceito deixasse a Cidade Dourada, e sua historia é contada entre os povos draconatos. Porém o orgulho entre os dourados ainda existe e Kreev decide ir ao encontro de Jhakar, recrutando guerreiros e seguidores para torná-lo assim o Deus da Guerra. Jhakar, o dragão vermelho, será o verdadeiro deus da guerra.

3 comentários:

  1. A biografia de Kreev mostra que, o draconato nao é mau sem precendentes. Ele tem seus motivos (fortes, por sinal) para odiar os deuses que o amaldiçoaram com a cor "suja" dos draconatos. Segue sua luta para tornar Jhakar o deus da guerra, na ótima interpretaçao do personagem pelo jogador Leo.

    Uma pena que Gonar tenha lhe dado uma marca e corrompido sua personalidade.

    ResponderExcluir
  2. Quem garante que ira durar muito tempo... =P

    obrigado pelo elogio Diego, mas sabemos que os jogadores não conseguem interpretar bem o personagem se não tiver um bom mestrante.


    Abraço

    ResponderExcluir
  3. John Viking/Troll18 de junho de 2010 15:23

    Grande Leo!!

    Ótima a biografia de seu personagem. A inserção de uma figura deste calibre na Comitiva só demonstra o quanto o grupo de esforça nas interpretações para manter as coisas sob controle. rsrsrs

    Ah, o retrato de Kreev deu o toque que faltava! Parabéns, Comitiva!

    ResponderExcluir